Sobre preocupações sem sentido com a saúde

0

“São duas da manhã e você está rolando na cama. Você tem algo muito importante e extremamente desafiador para fazer no dia seguinte. Você precisava ter uma boa noite de sono mas ainda está acordado. Você tenta diferentes estratégias para conseguir relaxar – respira vagarosamente, tenta imaginar que está em um lugar bonito, sereno e com montanhas- mas mesmo assim, continua lá, deitado, sem sono e cada vez mais tenso.

Se isso acontece com você regularmente, perto das duas e meia da manhã você começa a ter uma série de pensamentos sem sentido que simplesmente invadem sua mente. De repente, apesar de todas as suas outras preocupações você começa a se angustiar pois pecebe que tem se sentido exausto ultimamente além de ter uma dor de cabeça que já te acompanha há dias.

De repente você conclui: estou doente, muito doente! E continua pensando: como não reconheci os sintomas antes? Porque neguei isso até agora? Porque não fui ao médico antes?

Quando são duas e meia da manhã eu sempre tenho um tumor no cérebro”

É assim que começa o livro de Robert Sapolsky chamado “Porque Zebras não tem Úlceras” no qual fala sobre o efeito do estresse na rotina de um ser humano do século XXI.

Hoje em dia 90% das consultas médicas acontecem por causa do estresse. Ou seja, as pessoas acham que estão doentes quando na verdade estão sentindo sintomas típicos do estresse. Não que estresse não seja um causador de problemas crônicos de saúde a longo prazo, existem muitas ideias divergentes a esse respeito, mas o que quero focar aqui nesse e-mail é que algumas pessoas (me incluo nesse grupo) às vezes pensam demais no que pode estar errado com a saúde porque na verdade não querem encarar outros desafios de frente.

Eu percebi isso recentemente quando precisei fazer a primeira cirurgia da minha vida e por tanto me preocupar com minha saúde comecei a sentir dores que me incomodavam muito tanto nas costas quanto no pescoço e cabeça. Um dia estava tão mal a respeito disso que, como a personagem do livro do Sapolsky, cheguei a pensar que estava com algum problema sério mesmo.

Fiquei dias com uma sensação ruim só de pensar nisso.
Aquela preocupação não tinha o menor sentido. Eu tinha acabado de fazer dezenas de exames de saúde que constatavam que estava tudo ok comigo. Tinha feito algumas visitas ao osteopata que também afirmou o mesmo e me deu algumas dicas de postura, me alimento bem, faço exercícios com uma frequência moderada, caramba! Pensei: eu sou saudável! Por que estou tão preocupada com isso? De tanto pensar sobre isso percebi que eu estava criando uma barreira tão grande entre meu corpo e eu que não estava mais conseguindo entender os sinais que ele queria me dar e também não estava confiando nesse pulso da natureza do universo que nos traz uma perspectiva muito maior do que somente dessas dualidades vida/morte ou saúde/doença. Fiz um processo bem particular de cura, argumentei comigo mesma a respeito dessa situação e dessa reflexão produzi um pequeno texto, como se fosse uma afirmação que eu me comprometi a fazer para mim mesma toda vez que me sentir desconectada da minha saúde. Falei tudo isso porque o meu maior objetivo com esse artigo é compartilhar essa afirmação com você. Ela tem me feito tão bem, talvez possa ser útil para você também! Se você também tem essas preocupações demasiadas com saúde faça o exercício de ler a afirmação abaixo:
“Eu sinto que tenho algo a cumprir nessa vida e que isso é bastante grandioso, o que me assusta e faz com que eu crie obstáculos para não fazer o que eu deveria, mas eu quero poder me desenvolver e evoluir como ser humano com leveza e paz. Não quero criar obstáculos que não existem. Gostaria de confiar no pulso da vida para me conduzir, peço para que eu possa me curar todos os dias enquanto nutro meu corpo e minha alma com o que eles precisam, peço para ter a sensatez de me sentir devidamente alertada para me preocupar na hora certa, caso algo realmente esteja errado com minha saúde. Que eu possa confiar nisso para me permitir seguir com carinho e positividade a respeito de mim mesma.”
Com carinho
Carol
*Só para garantir: por favor, não entendam que com essa afirmação estou sugerindo que você não deva fazer os procedimentos básicos de saúde, ok? Esse artigo são para pessoas que sofrem sem motivos por problemas de saúde que elas não tem.
Share.

About Author

Carolina Nalon é fundadora da Tiê Coaching e publica por aqui ideias e inspirações para ajudar as pessoas a construírem uma vida e carreira com mais propósito e conexão.

Leave A Reply